O vereador Prof. Russell Lello, na última terça-feira (dia 18/04), no plenário da câmara municipal fez uma indicação de serviço ao poder executivo municipal, que seria a construção de uma ‘catacumba’ destinada a saudosa professora salesiana, ‘IRMÃ CARMEM CRONENBOLD’.

O vereador ressaltou a importância dessa obra para o nosso município. Falou das qualidades de Irmã Carmem, onde por duas vezes esteve na cidade e prestou um relevante trabalho, começando como professora salesiana no colégio Patronato Maria Auxiliadora, a assistente social nos bairros da cidade. Visitando as casas e conversando com os mais necessitados, fazia também um trabalho junto a comunidade ribeirinha e tinha um vasto conhecimento das dificuldades dos moradores.

O vereador Prof. Russell Lello indica ao executo que seja construída uma pequena capela, onde já se encontra o resto mortais da Irmã Carmem Cronenbold. Assim quando a população sentir o desejo de visitar seu tumulo lembrará que irmã Carmem foi uma grande educadora. Está na hora do município de Humaitá reconhecer seu trabalho. Os restos mortais encontra-se no cemitério Municipal São João Batista.

Os demais vereadores presentes se pronunciaram falaram da importância desta indicação de serviço. Se comprometeram em participar e cobrar junto ao prefeito que seja construído o mais rápido possível essa capela. Os vereadores deram total apoio ao vereador Russell Lello.

O vereador agradeceu o apoio de todos e também agradeceu algumas Ex Salesianas hoje professoras, que ali se faziam presentes. As professoras, Sonia Miranda, Michele, Aparecida, Ivanilde, Denise e Laura, ficaram satisfeitas com a indicação do vereador. A muito tempo elas vinham solicitando esse trabalho, pois se corre o risco de Humaitá perder o restos mortais de Irmã Carmem Cronenbold. É uma exigência das irmãs Salesianas de Manaus, caso isto não ocorra, elas entrarão com pedido na justiça para fazerem a transferência dos restos mortais para aquele município. Onde irmã Carmem trabalhou e deixou sua marca de boa educadora.

As professoras, Sonia Miranda, Michele, Aparecida, Ivanilde, Denise e Laura

Nonato Malta / Humaitá Notícias