A Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) informou que vai encaminhar para o Instituto Evandro Chagas, em Belém,  os restos mortais dos macacos de diversas espécies foram encontrados mortos em comunidade ribeirinhas no município de Novo Aripuanã (distante 227 quilômetros de Manaus). A mortalidade dos animais levanta a suspeita de que eles tenham sido infectados vírus da febre amarela, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, ou outras doenças que afetam esses animais.

O diretor-presidente da FVS, Bernardino Albuquerque, ressaltou que ainda é prematuro afirmar a motivação das mortes dos animais, mas destacou que a equipe técnica da fundação está no município para coletar o material biológico para submetê-lo a análise. “Ainda não tive contato com os técnicos porque eles estão em campo e o contato é difícil. Mas eles vão recolher esses animais e trazê-los para Manaus. Daqui, o material será enviado para o laboratório de referência que é o Instituto Evandro Chagas, em Belém”, explicou.

Segundo Albuquerque, a equipe técnica deve retornar de Novo Aripuanã até o final de semana. Assim que eles retornarem, os macacos serão encaminhados ao instituto paraense, que é um dos laboratórios credenciados pelo Ministério da Saúde para realizar esse tipo de pesquisa. O diretor-presidente não soube informar quanto tempo os exames laboratoriais devem demorar para ficar prontos.

Ainda de acordo com Albuquerque, ainda não se sabe ao certo quantos animais foram encontrados mortos de fato. No entanto, toda a população de Novo Aripuanã recebeu a vacina contra a febre amarela. “Somos uma região endêmica e essa ocorrência nos preocupa bastante. Por isso, providenciamos o bloqueio vacinal e estamos seguindo os protocolos”, afirmou.

Conforme a FVS, não houve nenhum registro de infecção em humanos de  febre amarela nos últimos anos na cidade. Os últimos casos da doença em humanos foram registrados em 2016, sendo 1 em Manacapuru e 1 em Itapiranga.

Na área rural de Manaus há mais de 10 anos não há registro da doença. Como medida de prevenção a FVS-AM iniciou imediatamente a intensificação vacinal contra febre amarela no município.

A fundação destacou ainda que a  febre amarela silvestre é endêmica no estado do Amazonas, onde o ciclo ocorre naturalmente em áreas de floresta, entre primatas não humanos (todas as espécies de macacos).